quarta-feira, 17 de setembro de 2008

mirame a los ojos e veras lo que soy

A partir daquele momento ele faria diferente. A vida seria outra, seria melhor. Incrível acreditar que até aquele ponto crucial de sua vida ele tenha engolido tanta coisa. Mas agora, olhando por outro ângulo, ele enfim enxergou o que estava errado. Muito conivente ele foi até aquele dia. Conveniente para todos a sua volta era a situação, para todos menos para ele. Hoje era o dia da verdade, sus filhos, seus colegas de trabalho e até seu chefe ouviriam algumas verdades. Se sentia forte, seguro e muito feliz com sua nova postura. Não temia pelo emprego, pois seu chefe ficaria boquiaberto com tudo o que ele ensaiava mentalmente e falaria daqui há alguns minutos. Um novo homem! Era o que ele via no espelho do banheiro. E neste momento forte batidas na porta o trazem a realidade. Era sua esposa... Automaticamente diz que já está saindo do banheiro e ainda maisi automaticamente pede desculpas. Tudo o que foi pensado cai ao solo. Olhando no fundo dos olhos daquela pessoa apática que ele via no espelho ele se lembra que não é a primeira vez que se desliga e pensa no que deveria fazer, não era a primeira vez que olhava no fundo dos olhos de seu reflexo. Aquilo era apenas uma fantasia. Lava seu rosto e sai do banheiro, a vida real o espera.

2 comentários:

Radiogudi disse...

Muito bom a idéia de sair do nossos corpos é recorrente. O homem busca o imaginário para fugir do horror cotidiano.

alex disse...

viva o surrelaismo literário... à distância nos vemos mais póximos, (apesar da realidade).